Ilumini

Saída da crise Covid-19: Gestão e Planejamento em ambientes de incerteza e volatilidade

Escrito pelo Parceiro Sérgio Paiva, Diretor da Ilummini Planejamento e Gestão

De uma coisa já se pode ter certeza neste momento tão marcado pelas dúvidas e pela angústia: passada ou amenizada a pandemia da covid-19, o mundo não será mais aquele que conhecemos até recentemente.Luiz Carlos Trabuco – presidente do Conselho do Bradesco

A pandemia abriu uma “caixa de Pandora” e o mundo não será mais como antes. Viveremos a era do “novo normal”, passando por uma fase de transição, nos próximos meses: a “economia de baixo toque – low-touch economy“, caracterizada por interações de baixo toque físico, medidas que preservam a saúde das pessoas e adaptações a esta realidade por parte das empresas.

Verificamos que este período de quarentena proporcionou a aceleração forçada de mudanças que já vinham ocorrendo. Alguns exemplos:

  • explosão da digitalização na comunicação e comercialização entre empresas e consumidores;
  • crescimento exponencial do trabalho em casa e das interações digitais com clientes, fornecedores, colegas de trabalho e outras partes interessadas;
  • crescimento de consultas médicas remotas e cursos online;
  • readequação de prestadores de serviço para a logística de delivery
  • pagamento sem contato;
  • dark kitchens – cozinhas compartilhadas entre vários restaurantes para entrega online;

Muitas das propostas, hábitos e comportamentos reforçados durante a pandemia não retrocederão aos patamares anteriores e provocarão um rearranjo significativo no uso da tecnologia, nas relações de trabalho, nas formas de consumir, de adquirir conhecimento, e nas interações sociais.

O que está se chamando de “novo normal” traz às empresas a oportunidade e a necessidade de repensar e ajustar os seus modelos de negócio, bem como os seus processos e estruturas organizacionais.

A transição pelo período de “baixo toque” e a operação sustentável no “novo normal”, apresentam, para muitas empresas, 2 desafios inevitáveis :

  • a gestão do curto prazo, que para muitos significa lutar para assegurar a sua sobrevivência;
  • o processo de adequação ou reinvenção para garantir a sustentabilidade do negócio no futuro.

Curto Prazo – o desafio de sobreviver à crise

Os próximos meses serão nebulosos e desafiadores:

  • é possível que ocorram ondas de confinamento e relaxamento para administrar a capacidade dos hospitais de fazer frente à demanda por atendimento;
  • a queda do PIB será inédita, emprego e renda sofrerão um forte baque, os níveis de incerteza e aversão ao risco aumentarão, e a demanda encolherá;
  • incertezas quanto à duração da fase “baixo toque”, e a forma como ela afetará os diferentes negócios.

Não sabemos exatamente como será o processo de retomada, que diferirá em função da região e do tipo de atividade envolvida, mas para muitas empresas, o enorme desafio no curto prazo é garantir a sobrevivência. É necessário atuar imediatamente para:

  • operar no modelo “baixo toque – low touch“;
  • focar nas vendas e conquistar market-share – a luta será feroz em muitos segmentos, com concorrentes ávidos tendo que dividir um bolo menor;
  • realizar ajustes finos na segmentação de mercado e revisar as propostas de valor para cada segmento;
  • adequar a estrutura e os custos à nova realidade;
  • garantir o caixa para sustentar as operações.

Manter o barco flutuando será o foco dos próximos meses, mas é imprescindível também refletir em como preparar a empresa para enfrentar os desafios do futuro em ambientes com o grau de incerteza e volatilidade que teremos pela frente.

Planejando o futuro – readequação ou reinvenção

O perigoso é não evoluir”. Jeff Bezos, CEO da Amazon

O futuro começa hoje e é necessário planejá-lo, com uma nova abordagem que carregue na sua essência a agilidade para antecipar, reagir e adaptar-se às mudanças cada vez mais dinâmicas e profundas.

Como preparar a organização para o desenvolvimento e sustentabilidade empresarial em contexto tão volátil no âmbito da tecnologia, da revolução digital e inteligência artificial, de novos padrões sociais e de consumo, da emergência de novas gerações, de novas normativas relativas à sustentabilidade ambiental, etc ?

Vejamos a seguir os benefícios para as empresas que abraçam uma nova forma de planejar e que condições internas devem ser criadas para que isso ocorra.

Planejamento tradicional x Planejamento ágil

O modelo tradicional de planejamento, também conhecido como planejamento preditivo considera que a organização tem a capacidade de analisar o futuro e prever o que vai acontecer nos próximos anos com razoável assertividade e precisão, sendo que as mudanças no ambiente externo impactam nos resultados previstos e provocam a revisão do plano. Esse tem sido o modelo aplicado com bons resultados em milhares de empresas ao longo de décadas.

No entanto, face ao dinamismo, intensidade e profundidade das mudanças no ambiente externo, há que se evoluir na forma de se planejar o futuro.

O fator chave do novo planejamento não está na capacidade de prever o que vai acontecer dentro de vários anos, mas antecipar, aprender e adaptar-se rapidamente às mudanças, de forma dinâmica e contínua.

Muitas organizações passaram a adotar, com sucesso, o planejamento ágil, também chamado de planejamento interativo, mais adaptado a ambientes incertos e voláteis.

Em suma, a organização é moldada para capturar informações sobre o ambiente externo o tempo todo, processá-las, interpretá-las, tomar decisões de forma ágil e agir rapidamente, colocando e mantendo a empresa em vantagem comparativa no mercado.

A abordagem ágil impacta em diferentes áreas: produtos e serviços, estrutura organizacional, processos internos, governança, custos e também proporciona revisões do modelo de negócios da empresa.

Os benefícios para a empresa ao adotar o modelo interativo são diferenciados:

  • antecipação ou reação rápida;
  • adaptabilidade ao ambiente volátil;
  • capacidade de redesenhar novas propostas de valor em menor tempo;
  • prospecção permanente de oportunidades de futuro;
  • disseminação de conhecimento dentro da organização;
  • “time to market” mais curto;
  • engajamento dos colaboradores;
  • desenvolvimento de intra-empreendedorismo.

Organização e cultura

Consideramos 5 fatores-chave que devem estar presentes para que a implementação do planejamento interativo seja possível:

  • Gestão da informação: informação é a matéria prima que permitirá entender como o mundo está mudando, e as oportunidades e perigos que apresenta para que a empresa melhore e evolua, considerando os seus impactos no curto, médio e longo prazo. Deve ser buscada e tratada de forma sistemática e permanente.
  • Processos e Ferramentas: as formas de coletar os dados, as ferramentas em que serão armazenados, a maneira como serão analisados e transformados em informações, os fluxos que levam às tomadas de decisão.
  • Contribuição de Talentos: colaboradores da organização, preparados, capacitados e interconectados, ajudam a capturar informações, a compreender as oportunidades e ameaças, analisam e geram ideias inovadoras. São também sensores da organização, “conectados” a diversas áreas de interesse do ambiente externo.
  • Testes: ideias novas e boas soluções em produtos e serviços são frequentemente testadas, ajustadas e validadas em pequena escala, antes de serem lançadas no mercado. Esta abordagem permite reduzir o tempo entre o aparecimento da ideia e o seu teste de adequação (time-to-market vs time-to-test), aumenta a chance de sucesso no momento do lançamento em larga escala, e, em caso de abandono do projeto na fase de testes, minimiza os custos incorridos pela empresa.
  • Cultura Participativa e Flexibilidade: são fatores determinantes. A liderança da organização deve proporcionar um ambiente propício e estruturado, com a governança apropriada, que incentive o surgimento de novas ideias, trocas permanentes de informações, conhecimento e feedbacks entre os colaboradores envolvidos, para que o processo interativo aconteça e dê resultados.

A participação ativa dos colaboradores é parte integrante do processo, provoca apropriação e engajamento, facilita a retenção de talentos e libera energia intraempreendedora, muitas vezes escondida dentro da organização.

A criação dessa cultura e dos meios para que ela permeie os diversos níveis da organização é um dos mais interessantes desafios das lideranças nos dias atuais.

O “novo normal” representa um belo desafio, e uma enorme oportunidade de criar diferenciais comparativos, se as empresas se prepararam para ele.

A sua empresa está preparada para enfrentar o curto prazo?  E para construir o seu futuro na “nova normalidade”?

A Ilummini e a Scoreplan podem apoiá-lo na estruturação deste caminho.

[Participe do Webinar GRATUITO sobre este tema, que será ministrado pelo Sérgio no dia 13/08 às 17h. Inscrições e mais infos > aqui <]

❰ Voltar para o Blog

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.