O que é MEG, como funciona e por que utilizá-lo na empresa?

O sonho de todos os gestores, principalmente dos Administradores, é ver os processos fazendo sentido, trazendo resultados e funcionando de maneira fluída na empresa. Foi pensando neste desafio que a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) criou o Modelo da Excelência da Gestão, também conhecido pela sigla MEG.

Mas você sabe o que é MEG e como funciona? Ele é um guia de referência que relaciona as melhores práticas de gestão adotadas em algumas das empresas mais bem-sucedidas do mundo. Neste artigo, vamos entender melhor o que é o MEG, quais são os seus fundamentos e por que utilizá-lo na empresa. Boa leitura!

O que é MEG?

O MEG é um guia que lista os principais fundamentos da gestão empresarial de excelência, cuja validade é reconhecida internacionalmente. Uma das virtudes do documento é que ele é acessível e de fácil entendimento, sem deixar de lado o rigor técnico. Serve como um modelo a ser seguido e pode ser adotado por empresas de todos os portes e ramos de atuação.

Ele é elaborado pela FNQ, uma associação de empresas públicas e privadas, sem fins lucrativos, que tem como objetivo educar e estimular as organizações brasileiras na evolução da sua gestão. A primeira edição do documento foi lançada em 1992 e, em 2016, a entidade publicou a 21ª edição do guia.

Novidades da última edição

A mais recente edição trouxe algumas novidades em relação à versão anterior. A seguir, apresentamos as principais!

Representação gráfica

A representação gráfica do MEG evoluiu de mandala para tangram, um quebra-cabeças de sete peças de origem chinesa. A figura teve como inspiração o ciclo PDCL (plan, do, check and learning ou planejar, executar, verificar os resultados e registrar os aprendizados, em português).

De acordo com a FNQ, a figura simboliza o modelo de relacionamento entre a organização — considerada um sistema adaptável, gerador de produtos e informação —, e seu ambiente organizacional e tecnológico, além do ambiente externo.

Fundamentos da Gestão para Excelência

Outra alteração foi a substituição dos Critérios de Excelência pelos Fundamentos da Gestão para Excelência, reforçando a ideia de que os fundamentos não são aspectos isolados, mas estão relacionados entre si. Isso faz do MEG um modelo holístico, ou seja, que leva em consideração o contexto da empresa como um todo.

Com isso, o MEG agora é composto por oito fundamentos, que são direcionamentos que a empresa pode seguir para buscar a excelência. Esses fundamentos se desdobram em temas, processos e ferramentas e estão listados no diagrama tangram que mencionamos. A ideia é que a organização possa reorganizar esse quebra-cabeças, adaptando-o à sua realidade e às suas necessidades.

Quais são os seus fundamentos?

O MEG relaciona os Fundamentos da Gestão para Excelência, que devem ser desenvolvidos no nível estratégico da empresa. A partir deles, a organização pode fazer uma autoavaliação e obter um diagnóstico da maturidade da gestão. A seguir, apresentamos resumidamente quais são esses fundamentos. Acompanhe!

Liderança transformadora

Diz respeito à atuação dos líderes de maneira inspiradora, exemplar, ética e comprometida com o alcance do melhor desempenho da equipe. Além disso, os líderes sempre devem estar atentos aos diversos cenários e seus possíveis impactos tanto para a empresa quanto para as demais partes interessadas.

Dessa forma, a liderança transformadora deve sempre buscar a mobilização das pessoas em torno dos princípios, valores e objetivos da organização. Assim, a função do líder não é apenas exercer o controle, mas, principalmente, orientar e inspirar, sendo um exemplo para os demais membros da organização.

Compromisso com as partes interessadas

Esse fundamento ressalta a importância de entender todas as necessidades e demandas das partes interessadas, principalmente dos clientes. Dessa maneira, é possível traçar estratégias tanto para o curto quanto para o longo prazo.

Desenvolvimento sustentável

A empresa deve se responsabilizar pelos impactos das suas atividades tanto na sociedade quanto no meio ambiente. Para isso, deve ter um comportamento norteado pela ética e transparência.

Adaptabilidade

A organização deve ter flexibilidade e capacidade de mudança em tempo hábil. Sem essa agilidade, as chances de sucesso diminuem drasticamente. Para isso, a empresa precisa estar atenta aos movimentos do mercado. Ciclos rápidos de aprendizagem e velocidade na implementação de melhorias são fatores que impulsionam a transformação.

Pensamento sistêmico

É fundamental que os colaboradores conheçam a interdependência das atividades da empresa tanto interna quanto externamente. Essa visão global é essencial para o sucesso do negócio e evita que algum aspecto relevante seja negligenciado.

Aqui, a ideia é mostrar que a empresa não é uma ilha, mas uma rede de interações entre pessoas e departamentos internos e externos, fornecedores, intermediários, canais etc.

Aprendizado organizacional

É essencial que as organizações busquem o aprimoramento constante dos seus processos. Além disso, é importante incentivar o desenvolvimento de novas competências nos colaboradores para que as empresas se mantenham competitivas no mercado.

Isso aponta para a necessidade de uma busca permanente por melhorias. Para isso, é preciso manter uma postura de inconformismo, que é o que motiva a inovação. Nesse sentido, reforça-se a importância de treinar e qualificar os colaboradores.

Orientação por processos

Esse ponto valoriza o conjunto de regras e atividades que a empresa adota com o objetivo de funcionar com eficiência e eficácia, de forma a perseguir seus objetivos e entregar valor para o seu público.

Geração de valor

Todos os esforços da organização devem ser voltados para o alcance de bons resultados econômicos, sociais e ambientais. Além disso, as atividades desenvolvidas pelas empresas devem atender, com excelência, as expectativas dos clientes e de todas as partes interessadas.

Como funciona?

Como você pôde ver acima, o MEG não é um modelo prescritivo e não representa um passo a passo a ser implementado. No entanto, contém diretrizes e recomendações que se aplicam a qualquer organização que queira alcançar a excelência na gestão empresarial.

Por isso, não é possível implementar o MEG do dia para a noite. É preciso criar e desenvolver uma nova cultura na empresa que contemple os direcionamentos desse modelo.

Para começar, o ideal é delimitar o que faz mais sentido e o que é prioridade para o seu negócio. Isso depende de vários fatores como os seguintes:

  • o estágio de maturidade da organização;
  • o ramo de atuação;
  • o porte da empresa;
  • o ambiente externo;
  • os planos da companhia para o futuro.

Por que você deve utilizá-lo na empresa?

Se você acha que esse não é um tema importante para a sua organização e que existem outras prioridades, lembre-se de que 60% das empresas com pouco mais de 5 anos de atuação no mercado simplesmente fecham as portas. O ambiente de negócios é altamente competitivo e desafiador. Por isso, buscar a excelência na gestão não é apenas uma forma de buscar resultados melhores, mas também de garantir a sobrevivência do negócio.

Veja alguns dos principais benefícios que a aplicação do MEG pode trazer para a sua empresa.

Estímulo à competitividade e à sustentabilidade

A essa altura, já sabemos que sustentabilidade é muito mais do que plantar mudas de árvores. Estamos falando de garantir que exista um futuro no qual possamos continuar existindo como sociedade. Isso significa adotar medidas que permitam o crescimento econômico da empresa, sem a necessidade de agir de forma predatória em relação ao meio ambiente e buscando o desenvolvimento da sociedade.

Isso não significa que ser sustentável seja uma tarefa simples para as empresas, mas não é à toa que esse tema está contemplado em dois dos fundamentos do MEG — compromisso com as partes interessadas e desenvolvimento sustentável.

É por isso que o MEG preconiza a otimização de processos, com melhoria contínua. Além disso, contempla a entrega de valor não apenas para os acionistas da empresa, mas a todos os stakeholders. Dessa forma, garante-se a perenidade do negócio.

Mensuração objetiva de resultados

O último dos fundamentos do MEG, como vimos, é a geração de valor, que indica que as decisões devem ser tomadas com o objetivo de alcançar resultados. Para que isso seja possível, é preciso medir esses resultados, ou seja, colocá-los em números. Lembre-se de que estamos falando que esse é um modelo inspirado no PDCL, pelo qual tudo é mensurado e analisado.

Ao orientar-se por resultados, a empresa garante que tudo que é proposto está alinhado à estratégia da organização. Assim, é possível determinar objetivos futuros sem tirar os pés do chão. Além disso, dá clareza sobre o que é prioridade para a empresa, facilitando a tomada de decisão e a gestão financeira, mesmo em situações de urgência e pressão.

Uniformização da linguagem

Pouco adianta contar com um guia de princípios elaborado de forma primorosa, se isso não se incorporar à cultura da empresa e não for internalizado pelos colaboradores. Assim, para seguir os direcionamentos do MEG, melhorar a comunicação é fundamental. Nesse sentido, as ações de endomarketing ajudam a estreitar o relacionamento dos colaboradores com a empresa, deixando claro qual é a visão da organização e o que ela espera da equipe.

Para isso, é possível utilizar diversos canais de comunicação. O importante, aqui, é que a mensagem seja uniforme, para não confundir o colaborador. Alguns exemplos desses canais são:

  • intranet;
  • e-mail marketing;
  • conversas pessoais;
  • rodadas de palestras com os altos executivos;
  • treinamentos;
  • reuniões.

Além disso, serve como um guia para futuras contratações. Dessa forma, o RH consegue desenhar melhor o perfil de profissional que faz sentido para a empresa e o gestor tem uma base sólida para avaliar se os candidatos têm fit cultural com a organização.

Incorporação da cultura de excelência

Esse benefício é, na verdade, o objetivo final do MEG. A incorporação de uma cultura da excelência se desdobra em boas práticas nos níveis tático e operacional, o que traz vantagens para todos os níveis da empresa. Dessa forma, os gestores e colaboradores têm clareza sobre os caminhos que devem ser seguidos, o que, por sua vez, faz com que os resultados finais sejam melhores e tenham uma qualidade maior.

No limite, isso chega ao cliente final, o que traz uma série de benefícios para a empresa como:

  • melhora a sua reputação no mercado;
  • traz ganhos de imagem;
  • agrega valor à marca;
  • viabiliza o alcance dos resultados esperados.

Para isso, é preciso persistir e manter-se firme na trajetória traçada, e nisso o guia também ajuda, uma vez que todos têm clareza sobre quais são os objetivos a serem perseguidos.

Uma recomendação é olhar para as companhias que são referência em excelência de gestão. Quais são as lições que você pode tirar delas e que podem ser aplicadas na sua própria organização? Quais são as melhores práticas que você pode disseminar entre seus colaboradores e como fazer isso de forma eficiente? Como promover um programa de melhoria contínua que ajude a empresa a mudar de patamar?

Ao responder esses questionamentos, você consegue entender quais são as melhores ações que devem ser tomadas no seu negócio.

Como a tecnologia pode ajudar nesse processo?

Para auxiliar na implementação dos direcionamentos do MEG, a tecnologia pode — e deve — ser sua aliada. Nesse sentido, é importante contar com um sistema de planejamento, execução e acompanhamento de resultados, como o Scoreplan. Por meio dele, você consegue:

  • elaborar o planejamento estratégico e planos de ação;
  • acompanhar KPIs;
  • fazer a gestão financeira estratégica;
  • gerenciar projetos;
  • fazer a gestão de riscos;
  • traçar análises e diagnósticos;
  • monitorar ocorrências.

Tudo isso é centralizado, o que possibilita um controle total, sem planilhas espalhadas e desatualizadas, que geram informações conflitantes, comprometem a qualidade das análises e levam a decisões equivocadas.

Agora você já sabe o que é MEG, como utilizar esse instrumento para implementar uma cultura de excelência na sua empresa e colher os resultados esperados. Lembre-se de que contar com uma ferramenta como o Scoreplan é essencial para facilitar a gestão e garantir processos de qualidade.

E então, gostou do artigo? Entendeu como funciona o MEG e por que utilizá-lo no seu negócio? Aproveite para assinar nossa newsletter e receber outros conteúdos como este diretamente no seu e-mail!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.