Como melhorar a gestão orçamentária e aumentar o lucro da empresa?

Quem administra uma empresa conhece a importância dos números. Por isso, ter previsibilidade de receitas e despesas é essencial para tomar decisões que contribuam para o crescimento do negócio e que garantam a sua sobrevivência. Dessa forma, gestão orçamentária e lucro da empresa são questões que caminham juntas.

Neste artigo, vamos ver algumas medidas que você pode adotar para melhorar a gestão orçamentária e aumentar o lucro da sua empresa. Boa leitura!

Como melhorar a gestão orçamentária

Uma boa gestão orçamentária é fundamental para que a empresa consiga atingir os objetivos traçados. Trata-se de planejar e monitorar constantemente os resultados do negócio para ajustar o rumo a ser tomado.

Veja abaixo algumas maneiras de aprimorar a gestão orçamentária da sua empresa!

Use os KPIs adequados

Decidir quais são os indicadores que serão acompanhados é uma questão estratégica para o negócio, independentemente do porte ou do setor de atuação. Por isso, a escolha dos KPIs — Key Performance Indicators, em português, indicadores-chaves de desempenho — deve levar em consideração alguns critérios. Entre eles, podemos citar:

  • estar diretamente ligados aos objetivos da empresa;
  • ser úteis para a tomada de decisão;
  • ser relevantes para o negócio;
  • estar baseado em dados atualizados, confiáveis e precisos.

Assim, cada organização vai decidir quais são os KPIs que tem interesse em acompanhar. Existem ainda outros indicadores que podem ser úteis, como:

  • horas trabalhadas;
  • quantidade de produtos feitos;
  • tempo de inatividade;
  • margem de lucro dos produtos;
  • breakeven (ponto de equilíbrio);
  • prazo médio de pagamento.

Cada um deles pode ser mais adequado para um setor da empresa. Por isso, é normal que algumas áreas acompanhem KPIs mais táticos e operacionais, enquanto a alta administração foque em indicadores mais estratégicos.

Elabore um plano orçamentário

O plano orçamentário nada mais é do que o planejamento financeiro da empresa no longo prazo (lembrando que “longo prazo” pode ser até mesmo 1 ano, considerando o contexto de mercado atual). Para preparar o plano orçamentário, é preciso conhecer a situação financeira atual do negócio. Mapeie os dados e informações relevantes para ajudar a guiar a gestão orçamentária da empresa no próximo período. É importante, por exemplo, verificar quais são os elementos que interferem no lucro da empresa.

Mais uma vez, a definição de quais são esses dados depende do tipo do negócio e do setor em que atua. No caso dos custos variáveis, por exemplo, vale observar quanto foi gasto em insumos e quanto isso representa em termos relativos. Despesas e investimentos operacionais também precisam ser verificados.

Da mesma forma, analise os valores destinados ao cumprimento das funções do RH. Nessa linha entram, por exemplo, capacitação e treinamento de equipes, processos de recrutamento, seleção, admissão e demissão. Deve-se considerar também os custos com benefícios oferecidos aos colaboradores, como planos de saúde, vales refeição e alimentação e subsídios para prática de esporte, entre outros.

Adotar uma cultura orçamentária vai fazer com que todos os departamentos da empresa entendam e assumam sua parte de responsabilidade associada ao orçamento geral. Para isso, todos os setores precisam colaborar enviando informações e detalhando quais são as suas necessidades.

Com esses dados em mãos, faça uma projeção de faturamento alinhada às possibilidades do negócio. Ela deve considere não somente as finanças atuais, mas os objetivos financeiros almejados para o próximo período. 

Simule cenários

A construção de cenários é essencial para que a empresa consiga analisar os possíveis ganhos e perdas de cada uma das opções que se colocam à sua frente. Dessa forma, é possível decidir quais são as estratégias a serem adotadas para o futuro. Por isso, as simulações devem partir de um planejamento base, sobre o qual determinadas variáveis serão alteradas para entender o impacto delas sobre o negócio.

Essas variáveis podem ser internas — que dizem respeito à empresa e podem ser controladas — ou externas. Nesse caso, não podem ser controladas, mas podem ser previstas.

Por exemplo, existe uma expectativa de que a reforma tributária eleve os impostos sobre o setor de serviços. Não se sabe de quanto será o aumento nem em quais tributos ou quando exatamente. Porém, é possível simular cenários usando alíquotas maiores para saber quanto a elevação (máxima) impactaria o lucro da empresa.

Esse tipo de análise também pode ser usada para tomar decisões do dia a dia da empresa, como avaliar a compra de um novo equipamento ou aumentar o investimento em marketing.

Utilize softwares especializados

Como sabemos, a tecnologia é uma grande aliada. Por isso, em vez de fazer a gestão orçamentária em planilhas — que podem comprometer a qualidade dos dados — você pode usar softwares específicos para essa finalidade. Esses sistemas garantem a qualidade das informações e permitem a realização de diversos estudos e geração de relatórios com facilidade.

Outra vantagem do seu uso é que todos os dados ficam centralizados, ou seja, se muda a pessoa que abastece o sistema, o próximo que fizer o trabalho continua de onde o anterior parou. Além disso, todos os indicadores são gerados usando os mesmos dados, o que impede que haja informações conflitantes.

Por fim, o software permite fazer a gestão dos acessos: você pode dar permissões diferentes de acordo com as funções do colaborador, além de saber exatamente quem inseriu as informações e quando foram colocadas. Dessa forma, o software contribui para garantir a confiabilidade dos dados.

Como a gestão orçamentária contribui para o aumento da lucratividade

Não é segredo que existem, basicamente, duas maneiras de aumentar a lucratividade: aumentar as receitas ou reduzir os custos. As duas coisas podem, ainda, acontecer de forma simultânea. Mas como a gestão orçamentária pode contribuir para isso?

Ela possibilita um controle 360º das finanças da empresa, considerando o momento presente mas, levando em conta aquilo que já aconteceu no passado e gerando uma previsibilidade razoável de receitas e despesas em um futuro. Assim, é possível planejar investimentos de maneira mais cuidadosa e analisar os impactos que eles terão no orçamento, antes mesmo de acontecerem.

Além disso, a gestão orçamentária fornece subsídios para decisões importantes. Algumas delas são: definição de preços de produtos e serviços, necessidade de novas contratações ou de redução do quadro de funcionários e controle do capital de giro.

Agora você já sabe conhece a relação entre gestão orçamentária e lucro da empresa, já pode tomar as medidas necessárias para que esse planejamento seja eficaz e traga os resultados esperados.

Quer saber mais sobre como um software pode ajudar nesse aspecto? Leia o nosso artigo 7 motivos para usar um software de orçamento empresarial

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.