O que é Accontability nas empresas?

A accountability nas empresas ganha força em um contexto no qual instrumentos como governança, riscos e compliance (GRC) passam a fazer parte das rotinas de negócios. Afinal, não basta apenas ser competitivo ou oferecer bons produtos e serviços: hoje, mais do que nunca, é preciso estar atento a fatores como experiência do cliente, sustentabilidade, ética, diversidade e muitos outros que, há pouco tempo, sequer estavam em pauta.

A accountability ajuda nesse sentido porque é uma maneira de pautar os negócios menos com base no lucro e mais a partir do valor que a empresa gera. Esse valor, por sua vez, inclui elementos intangíveis e que, como tais, fazem com que uma marca ganhe projeção e, acima de tudo, clientes fiéis.

Vamos ver então como fazer isso a partir de uma postura mais responsável e atenta às obrigações? Continue a leitura!

O que é accountability nas empresas?

Responda honestamente: na sua empresa, gasta-se muito tempo supervisionando equipes para ver se elas realmente fizeram o que tinham que fazer? Se isso acontece com frequência, então é provável que não haja no seu negócio uma cultura de responsabilidade.

A propósito, segundo uma pesquisa da Partners In Leadership, para 96% dos entrevistados, não são os recursos materiais que têm maiores impactos sobre os resultados, mas a cultura da empresa. No entanto, de forma surpreendente, em 74% das organizações, prioriza-se a mudança de estratégia para melhoria de resultados e não a mudança da cultura.

Por outro lado, esse é um resultado até compreensível, já que é muito mais fácil mudar a estratégia do que a cultura empresarial.

Nesse sentido, uma cultura pautada em accountability, ou seja, na prestação de contas, é meio caminho andado para a mudança de mindset empresarial.

Perceba que, embora parecida com o conceito por trás de GRC, a ideia de accountability vai além de garantir que as normas sejam respeitadas. Nesse caso, o grande objetivo é fazer com que todos se sintam responsáveis por suas tarefas, do mais simples colaborador ao mais graduado diretor.

Cabe ressaltar que o termo accountability tem um sentido bastante amplo, podendo ser traduzido como prestação de contas, responsabilização, fiscalização, controle e tudo mais que remeta à ideia de ética e responsabilidade. Tanto é que sua a tradução mais aceita é “responsabilidade com ética”.

Por que accountability é importante?

A verdade é que uma parcela expressiva dos gestores só se lembra de fazer as coisas da maneira correta quando algo dá errado. O cenário é familiar: os membros de uma equipe cumprem suas tarefas, mas, por algum motivo, o resultado não foi o esperado.

Até que os reais motivos para o fracasso sejam detectados, o que mais se ouve são justificativas como “esse não é meu trabalho” ou “eu fiz minha parte”.

Talvez seja nesse ponto que está a diferença entre a simples responsabilidade e o conceito de accountability. Afinal, accountability pressupõe a delegação de tarefas de maneira que todas as responsabilidades sejam apuradas para que as correções sejam feitas em tempo hábil.

Esse modelo também diz respeito à forma como cada um toma para si a responsabilidade por seus atos, deixando para trás a postura pouco construtiva de jogá-la para outros.

Isso sem contar que, quando as lideranças trabalham para construir uma cultura de responsabilidade, encontram mais tempo para focar em objetivos maiores, já que todos saberão o que e como fazer. Assim, o modelo pautado em accountability elimina a sempre estafante e pouco produtiva tarefa de microgestão.

Quais os seus benefícios?

Além do foco em resultados, outra grande vantagem de se promover a accountability é que ela torna os colaboradores mais engajados. Uma vez que toda a equipe esteja alinhada com os mesmos objetivos, os líderes podem capacitar e motivar a força de trabalho a trabalhar em uma só direção. Assim, as pessoas deixam de ser reativas, passando a ser mais proativas em suas atividades.

Os ganhos diretos em produtividade acabam por gerar ganhos intangíveis. Isso porque, nas empresas em que prevalece a accountability, as pessoas são mais conscientes do que precisam fazer. Assim, a tendência é que, com o tempo, o público externo perceba que, naquela empresa, prevalece a ética e a responsabilidade.

Vale destacar, nesse sentido, que de acordo com a pesquisa Brands WeTrust 2019, apenas 36% dos brasileiros confiam nas marcas que consomem. Portanto, a accountability nas empresas pode ser a resposta não só para aumentar a lisura e a transparência, como para promover uma imagem positiva.

Quais suas variações?

Embora seja um termo bastante abrangente, a accountability pode ser diferenciada, dependendo da forma como se aplica.

Nesse caso, é preciso considerar dois contextos distintos: no primeiro, não há ingerência entre empresas, com cada uma ocupando posições relativamente parecidas em seus respectivos “ecossistemas”. No segundo, existe uma certa hierarquia e, sendo assim, as empresas mais acima na cadeia hierárquica acabam por ditar as regras.

Vamos ver a seguir como cada uma dessas formas de accountability se organiza.

Accountability horizontal

O termo accountability horizontal é mais usado no setor público ou em empresas com infraestrutura mais desenvolvida, como as grandes multinacionais. Nela, a fiscalização segue uma estrutura fixa, em que cada órgão exerce poder fiscalizatório sobre outro em pé de igualdade.

É o que acontece, por exemplo, quando entidades governamentais de controladoria fiscalizam as atividades dos poderes legislativo e judiciário, entre outras formas de controle.

Accountability vertical

Já na accountability vertical, o controle é mais informal e acontece mais por pressão social do que por mecanismos previamente estabelecidos. Um exemplo disso é quando ONGs cobram de órgãos públicos a prestação de contas sobre eventuais gastos públicos ou sobre seus próprios gastos.

Que são os seus tipos?

Pelo que vimos até aqui, a accountability é muito mais do que a adoção de métodos de controle ou fiscalização, mas sim uma mudança de postura e conduta. Não por acaso, costuma-se associá-la ao exercício da democracia por meio da chamada accountability social.

Por sua vez, a responsabilidade com ética pode ser categorizada de 8 formas diferentes, conforme o livro Types of Accountability Essay, da autoria de O.P. Dwivedi, Joseph G. Jabbra e Bruce Stone. São elas:

  • moral;
  • administrativa;
  • política;
  • mercado;
  • legal/judicial;
  • relação com o eleitorado;
  • profissional.

Como desenvolver na empresa?

Uma maneira de se desenvolver a responsabilidade com ética em uma empresa pode ser pela implementação de políticas de GRC. Contudo, como vimos, a tarefa não se resume apenas a isso.

Accountability nas empresas demanda mudanças profundas, já que ela implica não só a implementação de mecanismos de controle como o envolvimento de todos os colaboradores, sem exceção. Então, curtiu a ideia?

Aproveite para complementar a leitura deste conteúdo, participe do nosso Webinar gratuito e exclusivo sobre GRC, com um especialista no assunto!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.