Quais são os 5 princípios do Lean Manufacturing e como colocá-los em prática?

Você já ouviu falar a respeito do lean manufactuting e seus princípios? Desenvolvido no Japão pós-Segunda Guerra, a filosofia Lean se difundiu em meados de 1950 através da Toyota e seu até hoje aclamado Sistema de Produção (TPS – Toyota Production System). O Lean representou uma grande transformação em uma das maiores indústrias do mundo: a do segmento automotivo. Também chamado de Sistema Enxuto de Manufatura, hoje, é aplicado em diversos outros setores, até mesmo além da indústria.

Por isso, se você tem uma empresa e se preocupa em implementar melhoria contínua em cada um dos seus processos, precisa saber mais sobre essa metodologia.

O que é lean manufacturing?

A proposta do lean manufacturing é reduzir desperdícios entregando melhor qualidade no produto final, com o menor tempo de espera. Sua aplicação dentro de uma empresa visa, especialmente, o crescimento da competitividade.

Hoje, esse conceito representa um dos melhores caminhos para empresas que pretendem se desenvolver pensando em melhoria contínua, pois parece utópico conquistar; redução de custos, aumento de qualidade, redução do tempo de resposta e aumento de produtividade, mas, isso se torna possível através da eliminação de sete tipos de desperdícios promovidos pelo Lean: superprodução, tempo de espera, transporte, processos repetitivos, inventário, movimentos desnecessários e defeitos.

Quais são os 5 princípios do lean manufacturing?

Agora, é hora de conhecer os 5 princípios do lean manufacturing. Cada um deles abrange percepções diferentes, mas é seu trabalho em conjunto que permite a obtenção dos resultados. Veja só!

1. Valor

O primeiro princípio desse conceito é o valor. Que, por sua vez, precisa atender às expectativas do cliente. No sentido de que ele espera por aquele produto, a um preço determinado e no momento exato de sua necessidade.

Ainda, é importante lembrar de que o valor está diretamente ligado à qualidade. Ou seja, se um cliente está satisfeito com todas as características e funcionalidades de seu produto, ele considera que aquilo tem um valor.

2. Fluxo de valor

O fluxo de valor resulta da soma de todas as ações que tenham valor ou não para o cliente, mas que são necessárias dentro do processo produtivo. É possível dividi-las da seguinte maneira:

2.1. Etapas de valor

São todas as etapas que envolvem o processo de transformar matérias-primas em um produto final. É aqui que o produto se desenvolve com base em atributos que os clientes reconhecem e querem pagar para usar.

2.2. Etapas sem valor

As etapas que não agregam valor são aquelas que se repetem ou não têm grande importância dentro do processo produtivo. O cliente não sabe que elas acontecem, e é por isso que elas não apresentam valor para ele e sua redução é necessária.

3. Fluxo contínuo

No fluxo contínuo, uma peça de cada vez é produzida. Ela é encaminhada diretamente de um estágio do processo para o seguinte, sem nenhum intervalo ou desperdícios.

Com o valor especificado e o fluxo de valor bem determinado, as etapas sem valor são eliminadas. A partir disso, o fluxo contínuo abrange o maior número de ações dentro de um processo quanto possível

4. Produção puxada

Significa produzir o item apenas com demanda, na quantidade demandada e no momento necessário. Em outras palavras, produzir apenas o que o cliente comprou.

Assim, a produção puxada realiza o processo inverso de uma produção empurrada, por isso, não gera acúmulo de produtos finais ou estoques. Tudo é feito estritamente de acordo com a demanda, sem exceder nenhum tipo de limite.

5. Perfeição

Por último, existe a etapa de perfeição. Nesse estágio, todos os desperdícios foram eliminados e os quatro conceitos anteriores estão integrados de maneira satisfatória.

Em resumo, a perfeição confere que o processo oferece valor, de acordo com a vontade do cliente, e não envolve nenhum tipo de desperdício. Chegar nesse ponto da metodologia não é tarefa fácil. Entretanto, não o atingir de imediato não é motivo para desistência. Pelo contrário, insistir é o segredo para que todas as etapas fiquem alinhadas.

Como esses princípios podem aumentar a eficiência e o sucesso do negócio?

Na medida que você utiliza o lean manufacturing, seus clientes perceberão melhorias.

Isso também vale para os colaboradores e fornecedores. Eles sabem como o seu processo produtivo acontece e, para eles, é vantajoso fazer parte desse cenário, pois sentem-se seguros e engajados.

No entanto, é importante lembrar que é a implementação a longo prazo que causa um impacto positivo em seus resultados. O foco e empenho inicial de melhorar através da implementação dessa filosofia deve ser mantido ao longo de todo o processo e adiante. É necessário muito acompanhamento, para que desvios sejam identificados e tratados.

Além disso, é imprescindível que nenhuma princípio ou etapa seja deixado de lado.

Toda a equipe deve mudar sua forma de agir, de modo a contribuir com esse processo e os resultados desejados. Portanto, invista na conscientização e na disseminação de informações sobre o assunto, para moldar sua empresa aos princípios do lean manufacturing.

Este artigo foi útil para você? Aprenda mais sobre outros assuntos, que podem ajudar na gestão estratégica de sua empresa, em nossas redes sociais. É só nos seguir no Facebook, no Instagram e no LinkedIn!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.