planejamento estratégico de RH

Planejamento Estratégico de RH: Desafios, Tendências e como se preparar para 2022

O planejamento estratégico de RH é fundamental, pois sem ele não haveria por exemplo como os gestores de Recursos Humanos pautarem as contratações e, dessa forma, a organização não teria como atrair, tampouco reter bons profissionais.

Um dos principais méritos do planejamento é que ele dá um norte, uma diretriz para que os profissionais de RH se orientem em suas atividades.

Neste conteúdo, você vai ver como fazer um planejamento em suas etapas básicas, conhecer suas vantagens e algumas tendências que devem se consolidar no próximo ano.

Avance na leitura e dê o primeiro passo para melhorar a performance em sua empresa!

O que é planejamento estratégico de RH?

A verdade é que não existe apenas um conceito de planejamento estratégico de RH. Portanto, ele pode ser definido tanto como um meio de se alcançar objetivos quanto um mecanismo de prevenção de riscos. O Planejamento Estratégico de RH pode ser considerado um tipo de desdobramento do Planejamento Estratégico da empresa; pois os objetivos definidos no planejamento estratégico da empresa é que deverão ser os norteadores macro do planejamento estratégico de RH.

O certo é que, sem ele, o setor de RH fica muito mais exposto ao erro e, principalmente, de se desconectar da empresa enquanto parte de um organismo.

Faça um breve exercício de memória ou observe o seu próprio RH: você não teve ou tem a impressão de que ele é uma espécie de “ilha” funcionando à parte dos demais setores?

Pois é para evitar esse perigoso isolamento, entre outras funções, que serve esse tipo de planejamento.

Por que fazer planejamento estratégico?

O planejamento estratégico de Recursos Humanos abre caminhos para uma série de melhorias em todos os níveis.

Em um primeiro quesito, a empresa ganha vantagem competitiva sobre os concorrentes que não pautam suas rotinas de RH em uma estratégia mais macro de médio e longo prazo. Isso acontece porque, nestas empresas, o setor de RH é “engolido” pelo apagar de incêndios e pelas rotinas burocráticas, que precisam de atenção mas que não devem ser o foco.

Para ficar mais fácil de entender, um exemplo: digamos que a sua empresa sofre com altos níveis de turnover e absenteísmo, o que implica em uma baixa moral dos funcionários, altos e desnecessários custos e despesas, retrabalho, baixa satisfação dos clientes e, dificuldade na contratação de mão de obra. Um RH que não é orientado ao estratégico vai acabar solucionando pontualmente estes problemas no momento em que eles surgirem, ao invés de tentar entender as causas raízes e propor o desenvolvimento de soluções permanentes considerando a importância de sua atuação, na obtenção dos resultados desejados pela empresa no planejamento estratégico geral.

Quem você acha que sai na frente nesta história? A empresa A, que tem um planejamento estratégico bem definido e, um planejamento estratégico de RH também bem definido e interligado com os objetivos estratégicos da empresa ou, a empresa B que é o “camarão que dorme a onda leva” como diria Zeca Pagodinho?

Que tendências devem ganhar força em 2022?

Para o próximo ano, os gestores e especialistas em Recursos Humanos precisam ficar atentos, já que a tecnologia deve ganhar ainda mais força em processos de recrutamento e seleção.

Algumas tendências que devem se consolidar no próximo ano para ficar de olho e considerar no planejamento:

Quais as vantagens em se aplicar o planejamento estratégico de RH?

Além de pavimentar a estrada para se chegar aos objetivos, um plano de RH que contemple a estratégia é também uma forma de acompanhar as tendências em tempo hábil.

Ou seja: ao cuidar do planejamento, a empresa cria um ambiente favorável à incorporação de novas técnicas, ferramentas e boas práticas. Além é claro, de estar atenta e ter mapeadas todas as principais ameaças.

Assim, seu setor de Recursos Humanos torna-se um importante elo de ligação da empresa com o mercado.

O  planejamento estratégico bem feito vem a ser um valioso instrumento de gestão que garante sustentabilidade. Conheça então alguns dos benefícios que só os setores de RH planejados conseguem obter.

Produtividade em alta

Não há como ser produtivo em um ambiente no qual as pessoas não sabem o que fazem e para que fazem. As pessoas podem até fazer muitas coisas e estarem sobrecarregadas, mas isso não significa que estão sendo produtivas.

O planejamento estratégico, como vimos, serve como uma bússola, orientando gestores e colaboradores quanto ao que fazer ou, quanto aos resultados que são esperados considerando seus respectivos cargos e funções.

É também, um meio de manter as pessoas sempre engajadas. Como isso acontece? Bom, consideremos dois cenários: 

  • Em um deles, você acredita que faz o seu trabalho e não sabe o que exatamente a empresa espera com relação a resultados considerando o que você entrega, mas, você entrega o seu melhor. No entanto, em determinado momento você recebe de seus superiores a informação de que o que você está fazendo não é suficiente e aí se pergunta: mas o que é suficiente? O que a empresa espera do meu trabalho? Essa falta de orientação seguida de repreensão, te desmotiva, certo? Desmotivado, você produz muito menos.
  • No segundo cenário, você também entrega o seu melhor, mas neste caso você entrega o seu melhor sabendo o que a empresa quer, afinal ela tem um planejamento estratégico bem definido e comunicado e, o RH trabalha em conjunto com os gestores para que isso não se perca. Se, neste caso, você recebesse dos seus superiores a informação de que o seu trabalho e as suas entregas não estariam atendendo às expectativas da empresa, considerando os objetivos que ela tem. A sua motivação, muito provavelmente, não iria cair, mas sim ser redirecionada a fim de melhorar as suas entregas. 

Consegue perceber?

Ainda que a produtividade seja influenciada por outros fatores, não restam dúvidas de que ela começa quando a casa está em ordem.

Colaboradores mais capacitados

Um setor de RH que se planeja é um setor que sabe o que quer e onde pretende chegar.

Essa é uma premissa básica para orientar todos os esforços de gestão, inclusive a capacitação dos colaboradores.

Afinal, quando se trabalha orientado por metas e diretrizes quanto ao que fazer para alcançá-las, fica mais claro saber que meios e competências serão necessárias para isso.

Ainda que o planejamento por si só não garanta a capacitação, ele é um pré-requisito para definir rotinas de treinamento orientadas para os objetivos definidos pela empresa.

Estabelece regras para a sucessão dos líderes

Um problema que observamos em certas empresas, principalmente as familiares, é a falta de critérios e regras para a sucessão em seus cargos de alto escalão.

Trata-se de um perigo, já que uma empresa em que os líderes não trabalham em consenso é uma empresa sem rumo.

O RH pode e deve fazer a sua parte nesse ponto, definindo junto com as lideranças da empresa quais são as regras de sucessão em setores como o Conselho de Administração, por exemplo.

Ajuda a atrair talentos

Um desafio permanente para os profissionais de RH é atrair talentos cujas habilidades, formação, aspirações e experiência se encaixem com o que a empresa precisa.

Mas, para isso, é necessário antes saber quais são os objetivos de negócio a serem alcançados, concorda?

Nesse caso, o planejamento estratégico vem a ser um pressuposto para a atração dos melhores profissionais, já que é por ele que o RH define seus próprios objetivos.

Lembre-se: esses objetivos devem estar sempre alinhados ao planejamento da empresa, que devem estar em primeiro plano na hora de recrutar novos talentos.

Diminui o turnover

De acordo com um artigo publicado no site do National Business Research Institute, uma taxa média de rotatividade de pessoal de 18% custa às empresas com 100 funcionários cerca de US$ 1 milhão por ano nos Estados Unidos.

A propósito, o turnover, como também é conhecido, é um sério problema para as empresas, não só pela questão financeira, mas pelos outros prejuízos que gera; moral, engajamento, falta de confiança e etc.

Índices elevados de rotatividade sinalizam que o RH está falhando desde o processo de contratação, o que normalmente tem relação com a falta de um planejamento.

Redução do absenteísmo e presenteísmo

Indiretamente, o planejamento também ajuda a reduzir outro problema que pode se tornar dramático nas empresas: o absenteísmo e o presenteísmo.

O primeiro se caracteriza pela ausência injustificada do trabalho, enquanto no segundo o colaborador está presente, mas apático e desmotivado.

Embora esses sejam problemas relacionados a outras questões, sua solução começa com o planejamento do RH. No início da pandemia, por exemplo, um RH estratégico poderia ter avaliado e se antecipado ao riscos, como por exemplo acerca dos problemas de saúde mental que, já existiam, mas foram agravados com o isolamento; fomos alertados de que isso aconteceria, então porque não agir preventivamente? Depressão e ansiedade, são transtornos sérios e que impulsionam o absenteísmo e o presenteísmo. Portanto, se já não está claro, ajudar os seus colaboradores a lidar com isso é também do seu interesse como gestor e como empresa. No entanto, esta compreensão passa por ter uma RH que pauta suas atividades em um planejamento estratégico.

Aumenta o engajamento e a motivação

Já destacamos essa parte, mas não custa relembrar que, nas empresas que trabalham com metas, o engajamento com o trabalho tende a ser maior.

Por sua vez, essas metas só podem ser atingidas plenamente quando existe um plano claro para isso. 

Dá um propósito às pessoas

Como bem destaca um artigo publicado no site da McKinsey, a falta de propósito é um obstáculo, não só por reduzir a eficiência nas empresas, mas por também trazer riscos à saúde das pessoas.

Afinal, como fazer com que cada um sinta que seus próprios objetivos pessoais estejam conectados com os da empresa?

Uma possível resposta para isso está no planejamento, já que é por ele que a empresa define o que deseja para si, considerando os recursos humanos disponíveis e, sendo assim, também é possível definir o que a empresa busca em um profissional; o que pautará contratações mais acertadas

Melhora a comunicação

Um ambiente de trabalho em que as pessoas sabem o que querem e por que fazem o que fazem é um ambiente onde a comunicação é fluida e sem ruído.

Assim, evita-se o surgimento dos nefastos silos, ou seja, de setores isolados, em que prevalece o “cada um por si”. 

É uma forma de estimular a cultura do feedback

Setores de RH que contam com um planejamento são mais transparentes em geral.

Isso os torna mais receptivos ao feedback dos colaboradores, independentemente das posições que ocupem na hierarquia da empresa. 

Assim, tende a se formar uma cultura do feedback, uma vantagem competitiva observada principalmente nas empresas de gestão horizontal, onde os OKRs são a nova ferramenta para um crescimento organizado, acelerado e compartilhado.

Diminuição da burocracia

De acordo com uma pesquisa da Endeavor, se a burocracia fosse reduzida pela metade no Brasil, a renda per capita seria 25% maior.

Embora esse seja um problema estrutural, nas empresas ele tem muito a ver com a falta de clareza nos objetivos e, como sabemos, sem objetivos a empresa vai para “onde a vida levar”.

Sendo o planejamento um meio de alcançar metas, ele pode servir indiretamente para a redução da burocracia e dos processos sem utilidade.

Torna os processos seletivos mais eficientes

No contexto do RH, o sucesso em processos seletivos é medido pela aderência dos perfis dos contratados ao da empresa.

Para isso, é fundamental que os recrutadores sejam orientados por um planejamento estratégico, que, como vimos, é peça fundamental para atingir objetivos de negócio.

Integração dos setores

Também vimos que a formação de silos nas empresas é um problema a ser combatido.

Quando o RH conta com um planejamento, ele passa a ser um elo de ligação entre os setores, promovendo assim sua integração.

Ainda que a integração também dependa de certos métodos e de tecnologias, ela pode e deve começar pelos Recursos Humanos.

Portanto, antes mesmo de pensar em integrar seus setores, não deixe de avaliar se seu RH está trabalhando efetivamente para isso.

Caminho para uma cultura Agile

Finalmente, uma das vantagens do planejamento estratégico é que ele permite à empresa adotar métodos ágeis em suas rotinas.

Além de reduzir a burocracia, essa é uma forma de elevar os patamares de eficiência, uma vez que a abordagem Ágil privilegia a entrega de produtos e serviços e a satisfação do cliente.

Como montar um planejamento estratégico de RH?

Um planejamento estratégico de RH passo a passo requer a participação de equipes multidisciplinares, afinal, esse é um setor que se relaciona com todos os outros.

Na falta de profissionais de diferentes especialidades (jurídico, financeiro e contábil, por exemplo), o melhor a fazer é simplificar.

Em outras palavras: até que você tenha o apoio de especialistas, trabalhe para preparar o terreno.

Veja na sequência como fazer isso.

Conheça os objetivos da empresa

Seja qual for o contexto, é certo que o planejamento estratégico de RH pode ser formulado somente quando há metas a serem alcançadas.

Por isso, a primeira medida a ser tomada é conhecer quais são os objetivos da empresa em curto, médio e longo prazo. 

A partir disso, defina as metas do RH, sempre levando em conta também o orçamento e tempo disponíveis.

Defina os objetivos do RH

Uma das etapas do planejamento estratégico de RH é, como vimos, a definição dos seus próprios objetivos.

Lembre-se de que eles precisam estar sempre associados aos da empresa e devem ser traçados conforme os três níveis de planejamento (estratégico, tático e operacional).

Faça um briefing com os gestores

Quando se trata de planejamento, as lideranças têm papel preponderante, já que é por elas que tudo começa.

Então, na hora de defini-lo, não deixe de reunir todos os líderes para “brifá-los” a respeito dos objetivos, além das expectativas e metas de cada setor.

Análise SWOT

A análise SWOT é praticamente obrigatória em um planejamento estratégico porque é por ela que a empresa se habilita a conhecer suas forças e fraquezas.

Da mesma forma, essa é a ferramenta indicada para mapear o mercado e contexto externo,  identificando neles eventuais ameaças e oportunidades.

Na hora de fazer o planejamento estratégico de RH, os gestores do setor devem olhar para a Análise SWOT da empresa, de modo a compreender o seu papel no desenvolvimento das fraquezas, no aproveitamento das oportunidades e, na antecipação das ameaças de modo a evitar ou mitigar riscos.

Do mesmo modo, o próprio setor de RH deve fazer a sua análise SWOT, levando em conta, neste caso especialmente, o que tange o ativo mais importante da organização; as pessoas. As tendências para 2022 que mencionamos lá no início do texto pro exemplo, podem ser mapeadas nas oportunidades e ameaças de uma boa SWOT.

Desenhe os planos de ação

Com todos os elementos dispostos de acordo com os passos anteriores, você terá o que precisa para enfim montar o seu planejamento estratégico de RH.

Porém, esses são apenas passos iniciais, já que um plano completo requer um nível de detalhamento maior. Neste ponto, você precisa definir exatamente o que deve ser feito, por quem deve ser feito, como deve ser feito e, dentro de qual prazo. Uma boa dica, é usar a ferramenta 5W2H.


Gostou do conteúdo? Então assine a nossa Newsletter e receba mais conteúdos como este quinzenalmente.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.