gestão de indicadores

6 hacks para progredir resultados com a Gestão de Indicadores na empresa

Intuição funciona, mas trabalhar somente com base nela é jogar tudo para o alto e esperar que retorne da melhor maneira. Uma empresa que, hoje, trabalha sem dados e Gestão de Indicadores é uma empresa que não conseguirá se destacar — ou até mesmo se manter — no mercado por muito tempo.

Até situações mais abstratas precisam ser convertidas em algum tipo de indicador, para que você saiba para onde sua empresa está indo — e se deve permanecer nesse caminho, ou mudar imediatamente a direção.

Se a sua empresa já trabalha com Gestão de Indicadores, mas os resultados ainda estão deixando a desejar, você pode não estar utilizando essa ferramenta da melhor forma. Por isso, descubra neste conteúdo 6 hacks para que sua empresa possa progredir nos resultados com a Gestão de Indicadores.

Vamos saber porque é tão importante fazer essa gestão — e como não fazer, afinal, fazer da forma errada pode custar muito caro. Depois, vamos descobrir os 6 hacks para realizar a Gestão de Indicadores da melhor forma possível, de um modo que entregue mais — e melhores — resultados na sua empresa.

Acompanhe a leitura!

Por que é importante fazer a Gestão de Indicadores?

Indicadores de desempenho são indispensáveis para qualquer empresa que busca alcançar sucesso e eficiência operacional. Eles são uma ferramenta de mensuração para os mais variados processos. Transformam em números fatores mais abstratos, permitindo que o gestor avalie com mais precisão e responda com rapidez às demandas do dia a dia.

É através da utilização de indicadores que a empresa consegue aumentar a transparência de seus processos, uma vez que, além de apresentarem os resultados reais, os indicadores também podem ser configurados para realizar projeções do negócio para curto, médio e longo prazo. A empresa usa os dados para avaliar ou comparar sua performance em termos de cumprimento de metas estratégicas, táticas e operacionais.

Escolher os indicadores certos é a chave. Isso depende do segmento de atuação, do porte da empresa, do mercado que está inserida e, principalmente, dos seus objetivos estratégicos — além de outras inúmeras variáveis que precisam ser estudadas e avaliadas caso a caso.

A Gestão por Indicadores, por sua vez, é a metodologia de administração que utiliza indicadores de desempenho para avaliar os principais fatores de sucesso da empresa. Com esse modelo de gestão é possível avaliar a performance corporativa e fazer análises preditivas sobre as tendências de mercado, aumentando a competitividade da empresa.

Vantagens de fazer a Gestão de Indicadores

Fazer uma Gestão de Indicadores de maneira correta faz com que a empresa diminua seus custos e aumente seu crescimento de forma escalável, além de trazer muitos outros benefícios, pois mostra uma visão integrada do desempenho dos processos de cada área de negócio da empresa. Confira as principais vantagens da gestão por indicadores:

  • análise de informações em tempo real;
  • tomada de decisões mais acertadas, sendo elas estratégicas, táticas ou operacionais;
  • projeção de resultados para curto, médio e longo prazo;
  • transparência na gestão empresarial;
  • identificação de estratégias para solução eficiente de problemas;
  • identificação de estratégias para abordagem das oportunidades de negócio.

Erros e desvantagens de não fazer a Gestão de Indicadores

A falta de atualização dos dados gera um impacto direto no desempenho da empresa: o atraso das respostas dos gestores. Imagine que uma equipe de TI monitore a rede da empresa para avaliar a estabilidade das plataformas de vendas online (e-commerce), mas os relatórios são gerados apenas no final do dia.

Se vários picos de acesso ocorrem de manhã, por exemplo, e o gestor só identifica isso no fim da tarde, o desastre é inevitável. Ao longo do dia, é possível que o site tenha ficado fora do ar em vários momentos, impossibilitando o fechamento de diversas vendas, sem que o gestor soubesse.

E esse é apenas um exemplo. Na era da transformação digital, em que o mercado muda rapidamente, estar apto a responder de forma imediata é fundamental para ter uma operação produtiva.

Por isso, uma Gestão de Indicadores não somente é indicada, como é essencial e indispensável para progredir resultados na empresa. Todavia, como tudo que envolve o mundo empresarial, esse tipo de gestão só trará resultados positivos se for bem administrada. Conheça agora, portanto, 6 hacks para progredir na Gestão de Indicadores.

6 hacks para progredir resultados com a Gestão de Indicadores

1) Crie indicadores que estejam atrelados à Estratégia Empresarial

Não basta possuir e gerenciar os indicadores. Eles precisam estar atrelados à estratégia empresarial. Eles precisam acompanhar as métricas de desempenho em relação aos objetivos macros traçados pela diretoria, e resumir o desempenho em períodos de tempo definidos: mês passado, trimestre ou ano.

Isso não significa que você só terá indicadores estratégicos, mas que todos os seus indicadores servem, direta ou indiretamente, a um objetivo maior: visão, missão, propósito. Isso fará com que a empresa não desvie do foco.

Além disso, os indicadores também precisam estar atrelados às estratégias e aos objetivos do Planejamento como um todo. Uma Gestão de Indicadores que não integra todos os desdobramentos do Planejamento Estratégico é um erro muito comum e que pode ser desastroso. Neste cenário, geralmente, não há total rastreabilidade a respeito dos dados que compõem os indicadores, pois a busca por esses dados, bem como a alimentação ou construção dos indicadores, acaba sendo manual. Esse trabalho manual também acaba tornando o processo lento, dependendo do número de indicadores que a empresa gerencia.

2) Hierarquize os indicadores e crie uma árvore

É preciso trabalhar com indicadores em todos os níveis e criar uma relação de causa e efeito entre eles. Desta forma, ficará mais fácil fazer análises críticas para encontrar e atuar na causa raiz dos problemas.

A hierarquização dos indicadores de desempenho é realizada por meio da árvore de indicadores. Essa ferramenta tem como objetivo relacionar, da maneira mais adequada, as causas e os efeitos produzidos por eles.

A disposição dos indicadores é definida de acordo com a categoria à qual pertencem (estratégicos, táticos ou operacionais). O que a árvore de indicadores faz, resumidamente, é usar a representação hierárquica para facilitar o entendimento da relação estabelecida entre esses três níveis de indicadores. O topo relaciona os indicadores de maior relevância, considerando as estratégias da empresa.

Em seguida, os indicadores são relacionados como táticos e operacionais, o que permite a visualização dos impactos provenientes da interação entre eles e como isso pode prejudicar ou beneficiar a empresa. É importante salientar que cada empresa deve estabelecer critérios e alvos de medição, de acordo com suas estratégias, objetivos, metas e realidade. O que vale para uma empresa pode não ser aplicável em outros negócios.

A árvore de indicadores é uma potente aliada da gestão, pois ajuda a definir critérios para gerir processos e pessoas e a identificar e atacar a causa raíz de resultados não satisfatórios.

3) Automatize o processo

Automatize o processo de coleta e cruzamento de dados, bem como a construção dos dashboards. Isso fará com que os resultados sejam mais confiáveis e ainda fará com que a sua equipe gaste mais tempo analisando resultados do que construindo indicadores.

Ademais, automatizar os processos internos é uma ótima forma de aumentar a confiança da sua equipe. Com bons softwares, é possível acessar dados e entender o que de fato está sendo realizado na organização.

Além disso, as falhas e os rumores que podem comprometer a moral da equipe e o rendimento do negócio vão diminuir bastante, o que é perfeito para otimizar sua gestão de risco.

4) Faça análises críticas

É essencial fazer análises críticas dos resultados não satisfatórios e criar planos de ação para atuar na causa raiz, evitando a reincidência ou persistência do problema e seus consequentes resultados ruins. A falta de uma análise crítica adequada e a ausência de uma definição “obrigatória” de um plano de ação para correção é um dos principais erros da Gestão de Indicadores.

Portanto, sempre que um indicador apresentar resultados insatisfatórios e abaixo faça uma análise crítica para identificar a origem do problema, o causador da meta não atingida. Após identificar, portanto, crie um plano de ação para correção: delegue ações, acompanhe o andamento delas (quantas estão em dia, quantas estão próximas do prazo final e quantas estão atrasadas) e garanta a execução desses planos.

5) Defina metas inteligentes, comunique e engaje

Considere a metodologia SMART na hora de definir as metas, isso irá garantir que elas serão ousadas, mas factíveis. A metodologia SMART é uma poderosa aliada, pois ajuda a definir metas inteligentes.

Para entender melhor a metodologia, vale explicar que a sigla SMART é composta pelos seguintes termos:

  • specific – específica: as metas devem ser específicas e facilmente compreendidas por todos os envolvidos;
  • measurable – mensurável: os objetivos e metas devem ser mensuráveis de forma quantitativa;
  • attainable – alcançável: os objetivos e metas devem ser realistas e gerenciáveis, mesmo que sejam ousados;
  • relevant – relevante: é essencial que os objetivos e metas sejam relevantes para o negócio;
  • time-based – baseado no tempo: é preciso identificar um prazo específico para cada meta e objetivo definido.

Embora seja uma metodologia simples, ela é extremamente eficaz para definir metas plausíveis e evitar perder tempo com ações desnecessárias. Desta forma a equipe ficará inspirada e motivada. Comunique a equipe sobre os indicadores e metas que serão acompanhados e a sua razão de ser (o porquê, a missão, a visão, o propósito), para que fique claro o que é esperado.

6) Faça reuniões de acompanhamento

Reuniões de acompanhamento são essenciais, sejam elas trimestrais, mensais, semanais ou quinzenais, depende do indicador. Elas vão permitir que você acompanhe os resultados, cobre da sua equipe as análises críticas e iniciativas de ajuste de curso.

Esses encontros devem ser feitos tanto com a equipe quanto com os clientes, a fim de avaliar o desempenho, mensurar os resultados, receber e emitir feedbacks. As reuniões são importantes também para trocar ideias, ouvir o que a equipe tem a dizer e, com base nas opiniões, tomar decisões e melhorar os processos gerenciais. Nessas ocasiões, também é interessante criar ou atualizar documentos, como planilhas e relatórios, para tornar a apresentação mais concreta e ter onde buscar as informações posteriormente.

Como colocar os hacks em prática da melhor forma?

Para colocar esses hacks em prática da melhor forma, é preciso o apoio de um software especializado. O Scoreplan é o sistema mais completo do mercado, não somente para Gestão de Indicadores, mas para todo o Planejamento Estratégico e Financeiro. Nele, estão embarcadas metodologias ágeis e tradicionais, e ferramentas globalmente difundidas.

Com o Scoreplan, independentemente do modelo de gestão que você escolher, é possível não só criar indicadores, definindo métricas e metas, como também vincular os indicadores aos objetivos estratégicos, assim como nos planos de ação e projetos.

Para potencializar ainda mais este efeito de rastreio e dependência, o Scoreplan também permite definir a hierarquia entre os seus indicadores, criando a relação de causa e efeito entre os três diferentes níveis de indicadores (estratégicos, táticos e operacionais), gerando automaticamente a árvore de indicadores.


Agora que você já conhece os hacks, e também a melhor forma de colocá-los em prática, tem tudo que é necessário para progredir resultados com a Gestão de Indicadores na sua empresa!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.