Saiba como implementar um programa de Compliance Empresarial

Diante de cada vez mais escândalos de irregularidade e corrupção nas empresas, tanto no cenário nacional quanto internacional, ganhou espaço nos ambientes corporativos e na imprensa o conceito de compliance.

Com o objetivo de garantir a integridade nas ações internas e uma melhor reputação no mercado, bem como a adequação à legislação vigente, esse conceito é cada vez mais importante para as organizações. Assim, é necessário que os gestores saibam como implementar um programa adequado para seu negócio.

Mostraremos a você o que é esse conceito, a importância dele para as organizações, como preparar um programa de compliance empresarial e dicas para manter uma gestão alinhada com esses princípios. Boa leitura!

O conceito de compliance

A palavra “compliance” é de origem inglesa. Uma possível tradução livre para esse termo é “estar em conformidade com” ou até mesmo “obedecer”. Esse conceito diz respeito, assim, a manter a integridade nas tomadas de decisões no dia a dia da organização.

É uma gestão que deve ser orientada para a transparência e a ética na rotina diária, diminuindo os riscos de o negócio enfrentar problemas com a legislação vigente e com as autoridades competentes. Além disso, é muito mais difícil sofrer sanções e punições se as suas ações estão de acordo com o que manda a lei.

O compliance pode ser dividido em três níveis em sua aplicação:

  • gestão de riscos — é a avaliação de tudo que pode comprometer a prosperidade da organização, minimizando as ameaças, bem como tendo uma postura resolutiva para contingenciá-las;
  • governança corporativa — envolve as questões executivas do negócio, estabelecendo as principais regras do compliance, definindo o programa que deve ser instituído;
  • gestão de processos e negócios — após o estabelecimento das regras, é a hora de aplicá-las, garantindo que cada colaborador domine a sua função e esteja por dentro de quais normas deve seguir.

A importância do compliance para as empresas

O compliance toma cada vez maior importância nas organizações em todo o mundo. No Brasil, isso tem uma conotação ainda mais forte diante dos diversos escândalos de corrupção que afetaram todo o país e que tiveram a contribuição de grandes corporações nos processos.

As fraudes geradas em casos de corrupção e problemas diversos podem comprometer até mesmo o orçamento da organização — estima-se, segundo relatório da Associação de Examinadores Certificados de Fraude (ACFE), que até 5% do faturamento das organizações é desperdiçado em ações dessa natureza. O que pode representar, no fim, quase 4 trilhões de dólares. Valor extremamente alto.

Além disso, como falamos, uma empresa que age de forma íntegra e ética também consegue se destacar diante dos seus clientes. Cada vez mais o comprometimento com os dispostos legais é um valor a ser considerado na hora de escolher uma empresa para fazer negócios.

Atualmente há diversos movimentos de boicote contra organizações que sofreram algum tipo de denúncia grave; maus tratos aos animais, trabalho escravo, discriminação racial, sonegação de impostos e etc. Sua empresa não quer passar por isso, não é mesmo?

Outro ponto a ser ressaltado são os prejuízos gerados pelas multas e sanções estabelecidas em caso de descumprimentos, que podem gerar um grande rombo no orçamento do seu negócio e, em alguns casos, inviabilizar até mesmo a continuidade das atividades da sua empresa.

A preparação de um programa de compliance

Para que o compliance seja devidamente aplicado, é fundamental elaborar um programa a ser adotado em toda a organização. Veja como criá-lo a seguir.

Realize uma análise de riscos

Antes de realizar qualquer tipo de alteração, é fundamental que a sua empresa identifique quais são as incertezas que geram os riscos aos quais a organização está exposta. Afinal, como reduzir fragilidades se você não sabe quais elas são, não é mesmo?

Avalie, por meio de um diagnóstico empresarial por exemplo, quais são as áreas mais críticas e propensas a apresentarem algum tipo de brecha que pode levar a empresa a violar códigos de ética e a legislação. Verifique quais condutas de seus colaboradores poderiam representar riscos para o negócio como um todo. Anote todas as questões e, principalmente, quais as consequências caso ocorram problemas que possam comprometer a integridade da sua empresa.

Elabore um plano de ação

A partir disso, é hora de agir: é o momento de verificar o que deve ser mudado. Quais ações devem ser implementadas na empresa para manter todas as condutas dentro da lei e, principalmente, definir como monitorar e auditar continuamente a sua organização.

Esse plano de ação deve ser devidamente documentado e repassado para todos os gestores terem consciência do que está sendo aplicado. Ele deve ser revisto e atualizado caso ocorram alterações nas legislações que implicam diretamente e indiretamente no negócio.

Crie um código de conduta

De que forma cada colaborador deve agir, a fim de estar em consonância com aquilo que a empresa deseja promover e representar? Isso deve estar devidamente estabelecido no código de conduta da organização.

Esse documento deve ser repassado para que todos estejam devidamente conscientes. Isso pode ser dar por meio de palestras e treinamentos sobre as ações ali definidas, bem como as sanções as quais os colaboradores estarão suscetíveis em caso de problemas.

Dicas de como manter uma gestão alinhada aos princípios de compliance

Além do plano de compliance, as demais áreas de gestão devem estar devidamente alinhadas com os princípios desse conceito. Essa pode ser uma das partes mais complicadas e exige esforços contínuos de todos os envolvidos. Veja algumas dicas para conseguir manter isso, a seguir:

  • eleve o alinhamento de todos os setores até que consigam “ser compliance”, ou seja, absorver isso a ponto de que seja natural e dentro da cultura da empresa agir de acordo com a ética e idoneidade;
  • mantenha um código de ética na empresa e torne-o conhecido por todos;
  • faça com que eles entendam o quanto isso é benéfico não só para aumentar a rentabilidade, mas também para elevar a satisfação;
  • evidencie como isso é capaz de atrair um maior número de parceiros;
  • alinhe o compliance com o planejamento estratégico da sua empresa;
  • estabeleça uma política de melhoria contínua em seu negócio;
  • tenha um consultor externo que será responsável por auditar a empresa e verificar como o programa será implementado.

O compliance empresarial também é uma forma de conseguir melhores resultados para sua empresa. Mantendo-a em consonância com as tendências do mercado em exigir negócios mais transparentes e éticos. Além disso, também auxilia na mitigação de riscos internos.

Um conceito fundamental sobre esse último ponto é o Due Diligence de Riscos. Você sabe o que é isso? Leia nosso artigo e tire suas dúvidas sobre esse tema!